Blog Unicamp Ano 50



Secagem de maçãs: alunos da rede pública participam de experiência laboratorial na FEA

20/09/2016 - atualizado em 03/10/2016

A Faculdade de Engenharia de Alimentos (FEA) participou da “Mostra Unicamp Ano 50” com a atividade prática “Secagem de Maçãs”, no dia 15 de setembro. Alunos do ensino fundamental da rede pública foram convidados a participarem dos procedimentos realizados dentro do Laboratório de Ensino da Graduação.

Desmistificar as ciências e aproximar os alunos da Unicamp são alguns dos objetivos da Mostra Unicamp Ano 50. A “Secagem de Maçãs” foi usada como exemplo das inúmeras pesquisas realizadas pela FEA e proporcionou aos alunos vivenciarem a rotina da profissão de pesquisador. Eles aprenderam sobre a importância da maçã para a saúde devido a sua alta concentração de fibras e vitaminas e sobre como desidratá-las em forno laboratorial, sem perder os nutrientes.

Segundo o professor Dr. Marcus Forte, representante da FEA na Mostra Unicamp Ano 50, essa atividade teve um caráter social.

“Foi uma oportunidade de compartilhar informações para que os alunos saibam o que é feito dentro da universidade. A maioria das pessoas não sabe que muitos produtos que a gente encontra nas prateleiras dos supermercados, por exemplo, são desenvolvidos aqui na Unicamp”, disse

Um exemplo clássico de pioneirismo da Unicamp, na área de produção de alimentos, foi o desenvolvimento, na década de 70, do extrato indissolúvel de soja. Hoje, muito conhecido como leite de soja, encontrado em sucos, iogurtes e produtos simbióticos. A relação de produtos desenvolvidos na FEA é enorme, entre 2003 e 2015, por exemplo, surgiram: água de coco gasificada, chocolates sem açúcares e sem lactose, tomate e carne em pó, plástico biodegradável, etc.

Para a aluna de doutorado da FEA, Simone Shiozawa, que também apresentou o processo de secagem das maçãs, a mostra incentiva os alunos a seguirem os seus próprios sonhos.

“Essa aproximação é fundamental porque através desse exemplo de experiência conseguimos despertar nos alunos, o interesse, a curiosidade em aprender cada vez mais, além disso, mostra que entrar numa universidade não é um sonho distante e impossível”, disse Simone Shiozawa.

O aluno Natan Scabelo Apolonio, de 13 anos, do 8º ano do Ensino Fundamental, ficou radiante durante as explicações do Dr. Marcus e da doutoranda Simone e fez várias perguntas.

“Achei bem complexo procurar entender como é o processo de desidratação dos alimentos e percebi que tudo tem uma ligação com tudo, é fenomenal”, disse o aluno.

Para Natan, a visita só aumentou o interesse pela pesquisa. “Eu quero estudar na Unicamp, só estou na fronteira entre fazer a faculdade de engenharia mecânica ou de física. A visita com certeza incentiva. Achei bem legal conhecer o laboratório, afinal, é um lugar que geralmente as pessoas não vão.”, disse.

A experiência de aproximar os alunos da atividade científica pode ser transformadora, como disse a professora de Ciências, Ivone Curado, da Escola Professora Dulce do Nascimento.

“Alguns alunos comentaram que não haviam pensado na profissão de pesquisador, mas depois da atividade, eles começaram a achar essa ideia bem legal. Essa experiência de aproximar os adolescentes da universidade abre caminhos para eles verem que existem várias oportunidades profissionais”, disse professora de Ciências, Ivone Curado.

A experiência de entrar pela primeira vez num laboratório deixou a aluna Esteliane Quesada, de 14 anos, do 8º ano do Ensino Fundamental, ainda mais entusiasmada com os estudos.

“Eu achei que conhecer um laboratório ia ser muito chato, mas acabei gostando muito de tudo. Acho que tenho muitas coisas para aprender. Conversei com as meninas e a gente está combinando de usar o que aprendemos aqui como exemplo na feira de ciências que vai acontecer na escola”, disse.

Os alunos também participaram de uma palestra com o professor Marcus Forte, na sala de aula da graduação da FEA, onde assistiram vídeos sobre as importâncias dos processos de industrializações e embalagens dos alimentos, como evitar a contaminação por micro-organismos, como as bactérias.

Leia mais




Comentários

comments powered by Disqus

Voltar