Blog Unicamp Ano 50



Crise do ‘pacto lulista’ agrava situação política

Opinião foi dada pelo cientista social André Singer durante debate na Unicamp

04/11/2015 - atualizado em 29/03/2016
André Singer, jornalista e porta-voz da presidência da república no primeiro governo de Luis Inácio Lula da Silva entre 2003 e 2007, o principal elemento para o agravamento da situação política atual no país é a entrada em crise do que ele chamou de ‘pacto lulista’. (Foto: Dário Crispim)

Para o cientista social André Singer, jornalista e porta-voz da presidência da república no primeiro governo de Luis Inácio Lula da Silva entre 2003 e 2007, o principal elemento para o agravamento da situação política atual no país é a entrada em crise do que ele chamou de ‘pacto lulista’. Trata-se, conforme Singer, da entrada em crise de uma transformação do país que vinha sendo orientada pelo governo de Lula por meio da distribuição de renda lenta e sem confronto com o capital.

Singer, que é docente em ciência política pela Universidade de São Paulo (USP), participou na tarde de quarta-feira (4) da mesa-redonda Rumos da política nacional, organizada como parte das comemorações dos 50 anos da Unicamp. O evento, realizado no Centro de Convenções, integra a série Perspectiva Unicamp 50 anos, da universidade para a sociedade.

“Ao entrar em crise, este ‘pacto lulista’ coloca em questão todo o arranjo político, institucional e econômico do país. Eu diria que, neste momento, não há uma alternativa clara e nós não sabemos se, de fato, este pacto realmente se esgotou. Estamos num momento de intensa luta política e ainda não sabemos qual será o desfecho. Um dos elementos dessa luta política que vem crescendo é o movimento pelo impeachment da presidente da república, que eu considero um golpe branco. Uma das questões que se coloca é evitar esse golpe branco e tentar uma solução para a crise absolutamente no espaço da democracia”, defendeu.

O organizador do debate, o professor do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Unicamp, João Carlos Kfouri Quartim de Moraes, concorda com a opinião de Singer. Quartim de Moraes, que militou na resistência armada contra a ditadura militar no Brasil no final dos anos de 1960, relacionou o momento atual com o avanço do fascismo no país.

“Estes 50 anos da Unicamp coincidem com um momento sério, grave e duro da história política do nosso país. Nós temos dois fenômenos, um já muito bem sintetizado pelo Singer; e que vejo nos mesmos termos. Mas vejo também, sobretudo para as novas gerações, um avanço inédito do fascismo em nosso país. Poucos, como eu, têm a idade para relembrar a histeria reacionária que precedeu o golpe de 1964. Eu estava no Chile em 1972 e conheço bem isso. E nós estamos vivendo um momento de extrema gravidade com essa truculência fascista”, apontou.

Outro debatedor do evento, o cientista social Laurindo Leal Filho, docente da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP, falou sobre o papel da mídia na atual conjuntura. “Com raras exceções, a mídia tem sido negligenciada pela academia como um ator político, com influência no desenrolar do processo político do Brasil, tanto no sentido de uma tentativa de ruptura democrática, quanto da estabilidade conservadora. É necessário um olhar mais atento da academia e dos pesquisadores para notar como a ação política da mídia hoje no Brasil suplanta e se coloca acima, muitas vezes, dos próprios poderes institucionais”, observou.

A professora Ítala D’Ottaviano, coordenadora da comissão organizadora das comemorações dos 50 anos da Unicamp, destacou a relevância de debates como estes para o avanço de questões importantes para o país. A coordenadora revelou que os debates Perspectivas Unicamp 50 Anos estão programados para ocorrer até setembro de 2016. A série será constituída de 11 eventos distintos, envolvendo temas atuais com relevância política, econômica, social, cultural, artística e científica, contando com a participação de pesquisadores e intelectuais da Universidade e de outras instituições brasileiras e do exterior.

Portal da Unicamp

Fonte: Portal da Unicamp

Galeria de fotos

Professora Ítala D'Ottaviano, coordenadora da Comissão Unicamp Ano 50, abriu a mesa-redonda "Perspectivas Unicamp 50 Anos: Rumos da Política Nacional: agravamento da situação atual ou novo pacto conservador?" (Antonio Scarpinetti) 1-8
O cientista social Laurindo Leal Filho, docente da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP, falou sobre o papel da mídia na atual conjuntura. (Foto: Dario Crispim) (Dário Crispim) 2-8
o cientista social André Singer, jornalista e porta-voz da presidência da república no primeiro governo de Luis Inácio Lula da Silva entre 2003 e 2007, o principal elemento para o agravamento da situação política atual no país é a entrada em crise do que ele chamou de ‘pacto lulista’. (Foto: Dario Crispim) (Dário Crispim) 3-8
"Perspectivas Unicamp 50 Anos: Política Nacional: agravamento da situação atual ou novo pacto conservador?". Entre os pensadores: Andre Singer, Francisco de Oliveira, João Quartim de Moraes, Laurindo Leal Filho e Reginaldo Carmello Correa de Moraes. (Foto: Dario Crispim). (Dário Crispim) 4-8
Francisco de Oliveira - USP/FFLCH: Cientista Social (UFPE-1956), pós-graduado em Desenvolvimento Econômico pelo CEPAL-BNB (1956), Doutor em Sociologia pela USP (1982) e pós-doutorado pela École des Hautes Études en Sciences Sociales, França (1984). É Professor Titular da USP e ex-membro do CEBRAP. É Professor Emérito da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, aposentado e ex-Coordenador do Centro de Estudos dos Direitos da Cidadania (Cenedic/USP). É Doutor Honoris Causa pela UFRJ e pela UFPB. Integra o Conselho Editorial da Revista Margem Esquerda e é autor de vasta obra. (Foto: Dario Crispim) (Dário Crispim) 5-8
Público acompanha o evento "Perspectivas Unicamp 50 Anos Rumos da Política Nacional", realizado no Centro de Convenções da Unicamp. (Foto: Dario Crispim) (Dário Crispim) 6-8
Professor Reginaldo Carmelo Correa de Moraes - UNICAMP/IFCH, Graduado, Mestre e Doutor em Filosofia pela USP. É Professor Titular da Universidade Estadual de Campinas. Tem experiência na área de ciência política, com ênfase em teoria política contemporânea e relações internacionais. (Foto: Dario Crispim) (Dário Crispim) 7-8
O professor João Quartim de Moraes, do IFCH/Unicamp, coordenou a mesa-redonda Rumos da Política Nacional. O professor é graduado em Ciências Jurídicas e Sociais e em Filosofia pela USP e Doutor (Doctorat D'État en Science Politique) pela Fondation Nationale de Science Politique da Académie de Paris (1982). É Professor Titular da Universidade Estadual de Campinas. (Foto: Dario Crispim) (Dário Crispim) 8-8

Leia mais




Comentários

comments powered by Disqus

Voltar